Grupos que marcaram duas gerações de maneira única e ajudaram a escrever a história do gênero no país, Raça Negra e Só Pra Contrariar estão juntos no palco no show Gigantes do Samba, que chega ao Citibank Hall, em São Paulo (SP), nos dias 25 e 26 de julho.

Os ingressos já estão disponíveis pela internet (www.ticketsforfun.com.br), nos pontos de venda distribuídos pelo Brasil e na bilheteria do Citibank Hall em São Paulo.

O encontro presenteia o público com as canções e o samba inovador que cativaram milhares de fãs em todo o mundo, ainda hoje em constante renovação: é notável a quantidade de crianças e adolescentes conhecedores dos dois repertórios. Vale ressaltar que, juntos, Raça Negra e Só Pra Contrariar já venderam quase 60 milhões de discos.

A ideia já vinha sendo amadurecida há algum tempo pelos líderes das bandas, respectivamente, Luiz Carlos e Alexandre Pires, mas só agora foi possível concretizá-la. Os dois prometem uma verdadeira viagem pelos hits que consagraram os grupos, em uma perfomance que se aproxima das três horas de duração.

“Quem estiver no show, presenciará um espetáculo que dificilmente se repetirá. Dois dos grandes expoentes do samba dos anos 90 se apresentando em conjunto, não é sempre que acontece”, pontua animado o vocalista Luiz Carlos.

Há 30 anos, mais especificamente em 1984, ele e seus companheiros, Fabinho César (pandeiro e violão), Fernando (tantan) e Fininho (bateria), revolucionaram a música popular brasileira e transformaram batucadas casuais em fenômeno, invadindo os meios de comunicação com o romantismo cheio de swing.  Foram mais de 48 milhões de cópias vendidas, música executada mais de 600 vezes em único dia nas rádios do país. São mais de 20 sucessos que compõem a trilha sonora de muitas vidas.

Há quem diga  que não estaria onde está se não fosse por eles. “O som do Raça Negra me encantou já no primeiro contato que tive com a banda”, afirma Alexandre Pires, com o aval de seus parceiros Fernando Pires (bateria), Juliano (percussão), Serginho (teclado), Luisinho (contrabaixo) , Hamilton ( sax),  Alexandre Popó (surdo) e Luiz Fernando (pandeiro).

Legítimos seguidores do legado de sucesso do Raça Negra, os mineiros do SPC também conquistaram multidões com seu samba mesclado ao pop. Criado em 1993, o grupo se destaca tanto nas canções românticas como nos sambas alegres, contabilizando mais de 10 milhões de discos vendidos e uma longa lista de recordes e premiações.